Manchester à Beira-Mar (Manchester by the Sea)

O diretor e roteirista Kenneth Lonergan havia convidado Matt Damon para o papel principal de Manchester à Beira-Mar, mas o ator recusou o papel (seria por agenda? preferiu fazer o filme pipoca A Muralha (The Great Wall)?), e o que vemos é que ele acabou por entregar de bandeja à Casey Affleck a oportunidade da vida de ganhar o Oscar de melhor ator. Presente de amigo? Vai saber, os dois são amigos de infância, Casey é o irmão mais novo de Ben Affleck.
Manchester é uma cidade que invoca a presença de Lee Chandler (Casey Affleck)  quando seu irmão mais velho falece e ele precisa organizar o processo do funeral e assumir a guarda de seu sobrinho Patrick (Lucas Hedges).

Intimidade familiar: o tio contando sobre tubarões

Intimidade familiar: o tio contando sobre tubarões

De Boston para Manchester leva-se uma hora e meia de estrada, mas percebemos que Lee não vai à cidade há muito tempo, fato que vai se clareando aos poucos, entre o presente monótono e taciturno do homem que trabalha como uma espécie de encanador para uma pequena empresa que administra quatro prédios.
Há uma camada de angústia nos olhos do personagem, é palpável a ideia de um luto eterno, uma autopunição por algo que ocorreu no passado e que não é permitido o perdão por motivação própria.
Lee Chandler parece cumprir os dias na terra como se por inércia, e o luto arruína alguns momentos de sua vida, pois ele não se rende a flertes iniciados por uma garota bonita num bar, mas parte para a violência na mesma noite quando dois homens do outro lado do balcão o olham de um modo que o incomoda.
São vários os flashbacks que se entremeiam com o presente, entre a burocracia com a morte do irmão e os momentos que explicam a causa que transformou a vida de Lee Chandler de uma maneira trágica e que por Manchester ser uma cidade pequena, lhe rendeu fama entre os moradores, volta e meia se ouve alguém perguntando “é o famoso Lee?”.
Mas apesar de toda essa carga negativa, eis a proeza de Kenneth Lonergan, que garante um drama e não um melodrama, com cenas mais contemplativas e degustáveis do que um ritmo de choradeira gratuita, e salpicado de momentos engraçados, como as que envolvem seu sobrinho, entre duas namoradas, uma banda e seu temperamento adolescente que lida com a morte do pai de forma não muito dramática e vê a vinda do tio como um problema visto que ele não pretende ficar em Manchester por não suportar a carga do passado.

Luto

Luto

Se Manchester é um filme que emociona muito, não é o trauma do passado o ingrediente especial, e sim como lidamos com perdas e como superamos ou não isso. O fardo é pesado e o auto perdão é precário até em ensinamentos religiosos se comparados com outras parábolas, e é uma das coisas mais difíceis de conquistar na vida, até mais do que um Oscar por melhor atuação.

Ma’a salama

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s