Meu Próximo Livro

Então.
Sabe você que vivia me perguntando se eu estava escrevendo o meu próximo livro e sempre respondia que não, que a vida está corrida e nenhum tempo de sobra possibilitava essa arte estranha que é escrever?
Eu menti pra você.
Pois é, descaradamente mentia. Sem pudor.
Mas como o meu próximo livro tem como tema principal a mentira, então sou absolvido de certa culpa. Assim o penso, como um ator que comete atrocidades em nome da vivência do personagem.

Fui selecionado em mais de 100 originais, sou um dos 5 finalistas da nova fase de publicação da editora Nocaute.
Mas a luta não terminou ainda.
A editora abriu uma votação popular, em que você, poderá me ajudar votando no título do meu próximo romance.
Para tal, basta acessar essa página e me escolher: 2ª fase de seleção editora Nocaute
É simples e rápido, requer somente nome, cpf e e-mail.
Ah, e é lógico, me escolher, o título do meu original é A Melhor Parte da Mentira.
Tem a sinopse lá.

 

Próximo livro

Próximo livro

Grato desde já.

Ma’a salama!

Anúncios

O Melhor de 2017

Dizia em algum fórum de teóricos da conspiração que 2017 seria o terceiro centenário da franco-maçonaria, e que em tal aniversário os donos do mundo queriam colorir os céus com fogos nucleares para celebrar o seu domínio universal.
Apesar de o Doomsday Watch ter avançado alguns minutos para a meia-noite com os dois doidos de pedras com poder a trocarem insultos e ameaças, a saber Trump e Kim Jong-Um, tudo correu bem. Com a exceção de uma bomba-mãe lançada no Afeganistão pelos EUA, nenhuma ogiva nuclear voou pelos céus.
De foguetes, espero somente os da SpaceX e agências espaciais afins a caminharem rumo ao progresso humano, e não à destruição.

A gafe de início de ano foi na cerimônia do Oscar, em que erraram a nomeação do prêmio principal da noite, o de melhor filme, fazendo todos os produtores e atores de La La Land subirem ao palco receber a estatueta até perceberem que não eram os reais vencedores. Moonlight venceu, rendendo até música de Jay-Z sobre a sua nova exteriorização de músicas sobre o racismo contemporâneo.

Jordan Horowit exibe o real vencedor da noite: Moonlight

Jordan Horowit exibe o real vencedor da noite: Moonlight

Embora até esse minuto eu esteja no Hype do episódio 8 de Star Wars, o filme do ano foi com certeza Dunkirk de Christopher Nolan, sobre a batalha perdida na praia de Dunquerque, em que a sobrevivência se transforma na maior vitória em cenas de desespero acompanhadas pela rima de tensão de uma narrativa não linear entre diferentes pontos de vista dos acontecimentos e da trilha sonora do compositor Hans Zimmer em que abusou da Escada de Shepard.

Dunkirk: Sobrevivência é a maior vitória

Dunkirk: Sobrevivência é a maior vitória

Outra pérola foi Blade Runner 2049, um filme com excelente produção de arte, acertou em não realizarem um remake, a opção da continuação deu folego ao clássico, cuja missão não seria de superar o original de 1982. Embora o filme tenha sido um dos melhores do ano, não é para qualquer espectador, a duração de pouco mais de duas horas e quarenta minutos para uma narrativa sem muita ação num futuro cyberpunk pode ter feito alguns desavisados saírem reclamando do filme. Azar o deles…

Na telona brasileira o filme do ano foi Bingo: O Rei das Manhãs, do direto Daniel Rezende, que foi indicado ao Oscar de melhor montagem por Cidade de Deus em 2004.
O filme mostra a vida de um ator de pornochanchadas tentando subir na carreira, até que se arrisca num teste de audição para o papel de um apresentador de um programa infantil vestido de palhaço que fazia sucesso nas tevês americanas, mas que por aqui o padrão do roteiro não estava vingando, até que o ator decide improvisar e tomar aulas com um palhaço de circo de verdade, interpretado pelo falecido Domingos Montagner. Vladimir Brichta tem uma ótima atuação nessa história em que um palhaço doido num programa infantil nos anos oitenta acaba em drama.

Bingo: típico programa infantil dos anos 80

Bingo: típico programa infantil dos anos 80

Logan foi uma grande surpresa, estava com o pé atrás pelos trailers que havia visto, o resultado foi magnifico na despedida do papel de Hugh Jackman como o mutante machão que levou muito chumbo na vida. Além do pesar dos personagens, as cenas de ação ficaram sublimes por sua simplicidade. O que ocorreu no cassino, sem muito CGI me deixou extasiado.
Planeta dos Macacos: A Guerra (War for the Planet of the Apes) foi outro ponto alto do ano. Com coragem de fecharem a trilogia sem deixa para continuação, o filme foi perfeito em mesclar elementos de outros gêneros, além do clima do clássico Apocalipse Now havia cenas em que senti requintes de um faroeste.
Menções honrosas: Corra! (Get Out!), Trainspotting 2,  Estrelas Além do Tempo (Hidden Figures), Fragmentado (Split) na brilhante volta de M. Night Shyamalan, Valerian e a Cidade dos Mil Planetas (Valerian and the City of Thousand Planets) e Sully – O Heroi do Rio Hudson (Sully).

No mundo das séries, Game of Thrones atingiu o seu apogeu em audiência e popularidade, mas senti que essa temporada foi menos conclusiva que a anterior, os Caminhantes Brancos pareciam o povo hebreu da época do êxodo vagando no deserto, demoram muito para chegar até Westeros e a desculpa de que precisavam do dragão não cola, visto que teriam todo o processo adiantado se tivessem beirado a muralha.
A estreia mais aguardada teria sido Deuses Americanos (American Gods), baseada no livro de Neil Gaiman, sobre uma guerra entre os antigos e novos deuses. Apesar dos episódios terem se estendido de forma redonda com a primeira parte do livro e o final ter ficado modesto, há dúvidas se a série continuará, pois o diretor e produtor Brian Fuller já sinalizou problemas de divergência criativa com os estúdios. Seria outra furada do diretor que já nos deixou órfãos de Hannibal?
Pude cumprir com a minha meta de matar as séries Californication e Mad Men.
Californication possui episódios de curta duração, menos de 30 minutos, enredo simples, muitos dos quais com finais previsíveis, mas me cativou quando mais moleque (entenda-se algo entre 21 anos), talvez pelo fato de ser na Califórnia. Ou então, se for mais verdadeiro comigo mesmo, pelo fato do personagem principal Hank Moody (David Duchovny) ser um escritor boêmio que pegava muita mulher top e eu deve ter pensado que ser escritor seria isso…
Já Mad Men, que série engenhosa! Acho que ficaria no meu Top 5 de séries. Em muitos momentos parava e pensava que não passava de novela, mas como me desgrudar desses episódios? Muitos personagens bem trabalhados nas tramas, o roteiro de acordo com a época, muitos detalhes históricos entremeados (década de 1960) com tudo que podia se afetar, fosse na área da publicidade e propaganda, fosse no cotidiano.
Mas a série que me cativou de maneira incompreensível foi a temporada de Twin Peaks desse ano, continuação da primeira temporada de 90-91, isso mesmo, essa série veio ser continuada após todo esse tempo, com apenas um filme prequel lançado em 92 intitulado Twin Peaks – Fire Walk with Me.
Em vários episódios (se não em todos) me perguntava: “Por que estou assistindo isso?”, pois além de não ter assistido à temporada original, mea culpa eu sei, a história tem um pontos de liberdade criativa excessiva, pois o diretor nada mais é que David Lynch, que já o conhecia por filmes como Duna (Dune) e Cidade dos Sonhos (Mulholland Drive).
Twin Peaks pode ser comparado a um Arquivo X, porém, com requintes de filme arte feitos com baixo orçamento, há efeitos especiais mais simples dos encontrados em episódios antigos de Power Rangers, no entanto, as cenas, diálogos, personagens excêntricos e fotografias dedicadas te prende, e por mais que você não saiba a razão de assistir aquilo verá até o último episódio e ficará torcendo para que a próxima temporada não demore outros 25 anos.

Twin Peaks O Retorno: se não entender 90% dessa série e ainda assim adorar, bem-vindo a bordo

Twin Peaks O Retorno: se não entender 90% dessa série e ainda assim adorar, bem-vindo a bordo

De HQ’s achei um ano fraco, não foi muita coisa que me atraiu atenção, apesar de diversos títulos terem sido lançados. A exceção foi a nacional Rio 2031, de Giuseppe Andreozzi e Gabriel Picolo, em que num futuro não muito distante o mundo se vê em uma nova guerra fria, divida entre as potências TheNation e NewState, criadas por conglomerados de multinacionais. Em cada uma dessas novas superpotências existem os TIMED’s, meta humanos cujo poder tem limite que culmina junto com sua vida, por isso o nome de Timed.
No primeiro volume, vemos que o Rio de Janeiro ainda não se uniu a uma dessas potências, se transformando num palco de disputa entre milícias, mutantes e políticos.

Rio 2031

Rio 2031

No ano em que dominou Despacito e Shape of You o que me deixou naquele replay infinito foram as faixas do novo álbum de Gary Numan: Savage (Songs from a Broken World) e além delas, a intimista Bed of Thorns, faixa inspirada e incorporada à trilha sonora do filme Ghost in the Shell.
Além disso, Macaco Bong lançou um albúm estonteante, em que com o seu estilo fizeram uma releitura do clássico Nevermind, transformando-se no Deixa Quieto. O trabalho é de pirar.
Outro lançamento primordial para os meus tímpanos foi o álbum Death Song, da banda The Black Angels. Sim, o rock ainda vive, e melhor, respira sem aparelhos quando toca ao estilo psicodélico como na lúdica faixa Life Song. Viagem Pura.

Em um ano que foi se concluindo com muito stress uma leitura salvou minhas noites: John McLoving e a Busca do Mijo da Vida, do autor Mickael Menegheti.
Se o “Mijo” no título não passou despercebido pode ter certeza de que o livro também não foi apenas um nesse ano, dos nacionais foi o meu predileto, por ser de faroeste e ser recheado de comicidade em aventuras numa história alternativa em que o Brasil foi colonizado pelos ingleses, e ao invés de um Cristo Redentor há um enorme Big Ben no Corcovado. Mcloving é rápido no gatilho e danado a encontrar o que busca, mesmo que seja o mijo da vida, lenda indígena que o carrega numa jornada tresloucada entre vários tiroteios e bolas de feno rolando.

John McLoving: Faroeste num Brasil diferente

John McLoving: Faroeste num Brasil diferente

Dos internacionais foi Enclausurado, do inglês Ian McEwan que me deixou fascinado. Dando pinceladas de nostalgia literária ao me lembrar de Memórias Póstumas de Brás Cubas, pois o narrador da história nada mais é do que um feto, enclausurado no ventre da mãe, em diversas reflexões sobre o mundo que o aguarda, enquanto é testemunha do adultério da mãe com o tio e dos planos do dois para assassinarem o pai para ficarem com uma casa antiga como herança.

Enclausurado: um feto reflexivo e ansioso

Enclausurado: um feto reflexivo e ansioso

Sou do tipo que luta contra quando alguém diz que uma história “passou uma mensagem”, e não vou me contradizer aqui. Enclausurado reafirmou (e não mais do que isso) em mim a minha natureza míope: sou um otimista incorrigível.
E é com essa afirmação que encerro com a foto que mais me tocou nesse ano em que o holocausto nuclear não ocorreu como alguns teóricos da conspiração desejaram.
Nela, o morador Mohammed Mohiedin Anis de 70 anos fuma cachimbo e escuta música no quarto de sua antiga casa destruída em Aleppo, na Síria.
Apesar dos apesares, tamos aí! A vida tem muita arte e beleza para nos agraciar.

Mohammed Mohiedin Anis: apesar dos apesares, tamos aí!

Mohammed Mohiedin Anis: apesar dos apesares, tamos aí!

Ma’a salama 2017!

Genocídio em Pauta – Parte Dois

Esse post é a continuação da Parte Um.
Decidi dividir em dois para dar a devida atenção em cada filme em separado.
Neste, falarei sobre o recém-lançado First They Killed My Father (Primeiro Mataram meu Pai, em tradução livre) dirigido por Angelina Jolie e baseado no livro homônimo de memórias da autora e ativista cambojana Loung Ung.
A estética desse filme é fiel ao estilo de um livro de memórias, Angelina soube trazer essa sensação ao centralizar todo o enredo na protagonista não somente nos takes, mas também com POV’s que deixam suaves algumas cenas quando sabemos que o olhar é de uma criança na casa dos cinco anos.
O enredo se passa quando o Khmer Vermelho, o partido comunista liderado por Pol Pot tomou conta do país após os EUA tirarem o dedo intervencionista. Durante a guerra do Vietnã o Tio Sam bombardeou o Camboja, considerado neutro no conflito e isso gerou indignação ao povo. O filme é iniciado com um discurso de Nixon sobre a retirada do país ao som de Sympathy for the Devil, dos Rolling Stones.
A escalada vertiginosa de vitória do partido comunista estaria ligada a essa retirada, dizem muitos historiadores.
Fato curioso quanto ao posicionamento de Angelina Jolie a tal assunto é o fato de um de seus filhos adotivos, Maddox, ser de origem cambojana. Curiosidade do filme é de Maddox ter sido um dos produtores executivos, e detalhe, ele tem por volta de 16 anos.
Angelina já se engajou em causas sobre refugiados antes como em produções como Amor Sem Fronteiras (Beyond Borders) e no documentário Human Flow, além de ter visitado diversos campos desde que se tornou embaixadora da Boa Vontade da ONU em 2001.

A ambientação da fotografia do país tropical traz a dor do que os personagens sentiram, vemos fartura nas vilas e cidades entre as florestas, um povo modesto e simples que sentiram um regime autoritário dominar tudo em poucos anos com punho de ferro, implementando uma política cuja ambição era transformar todos em indivíduos trabalhadores do sistema denominado Angkar, que inclinava a nação inteira em se transformar em uma supridora agrícola para os camaradas que estariam lutando a guerra contra os capitalistas opressores.

Enquanto há cenas de horror direto, como as crianças que são separadas dos pais porque os mesmos estariam “poluídos” pela ideologia incorreta, há aquelas que chocam de maneira mais discreta, como a lavagem cerebral que os pequenos sofriam nas salas de aula em acampamentos simples, vestindo a mesma indumentária preta e boina. Além daquelas em que ouvimos de um megafone frases que se repetiam durante o dia como “O Angkar é o verdadeiro pai”, “O Angkar é o grande líder”, a semelhança de uma distopia ou ficção cientifica é assustadora, tanto mais ao saber que aconteceu de verdade.

A pequena Loung Ung tentando entender o que está acontecendo

Esse filme bate na tecla não somente no fato de mostrar o que aconteceu e fixar tal ocorrência em um mural no Never Forget, mas também soa como uma crítica quanto às nossas preocupações ao que realmente está acontecendo. Explico: os mesmos hippies que protestaram quanto a retirada das tropas americanas não se importaram com os efeitos que possibilitaram o genocídio no Camboja.
Fato semelhante seria a retirada dos americanos no Iraque que possibilitou o ISIS ou Daesh se preferir, a matar milhares e milhares de pessoas que não fossem islamitas extremistas.

Genocídios partem sobre qualquer etnia e grupo. E surgem de qualquer etnia e grupo que se possa imaginar também.
Fato mais recente (AGORA MESMO) é a perseguição que os Rohingya, minoria muçulmana , vêm sofrendo em Mianmar, país de maioria budista. Yep! Isso mesmo, aqui vemos um quadro em que budistas estão cometendo um genocídio contra muçulmanos.

Mas talvez podemos nos emocionar e pensar no quão insensato foi tal acontecimento daqui dez ou quinze anos quando transformarem o massacre num filme.
Não que devêssemos abandonar o #NeverForget, mas acho que devíamos nos concentrar mais no #NotNow.

PS: Há uma campanha no Avaaz: Parem de apoiar os matadores de Mianmar
Ela já acumula mais de um milhão e duzentas mil assinaturas.

Ma’a salama

Genocídio em Pauta – Parte Um

Assistir dois filmes sobre genocídio na mesma semana dá aquele shake na mente e isso é um gatilho o suficiente para falar sobre esse tema sombrio.
Então, aperte os cintos, que o assunto poderá um ser um pouco extenso, tanto que sabiamente dividi em duas partes.
O primeiro filme é uma produção que passou despercebida até mesmo por mim, que assisto mais trailers e novidades sobre filmaking do que os longas em si.
A Promessa (The Promise) foi lançado nesse ano com atores de grande quilate nos papeis principais: Oscar Isaac como Michael, o armênio de uma vila pequena com a humilde ambição de ser tornar médico e ajudar a comunidade em que cresceu, Charlotte Le Bon como Ana, a armênia que será a beleza que entrelaçará um triângulo amoroso com Michael e Chris, um repórter interpretado por Christian Bale, que no então Império Otomano trabalha como correspondente e observador das tensões que estavam a se desenvolver no início da primeira guerra mundial.

Oscar Isaac como Michael, a promessa ganhou outro significado: o genocídio armênio não pode ser esquecido

Oscar Isaac como Michael, a promessa ganhou outro significado: o genocídio armênio não pode ser esquecido

O curioso desse é o tema do genocídio armênio ser tratado pela primeira vez por Hollywood.
Geralmente grandes produções de guerra focam na segunda guerra, momento histórico em que os EUA se formaram como a maior potência do mundo.
Porém, o problema não era apenas essa falta de gancho simbólico para poder estender a bandeira americana numa cena que inflamasse patriotismo.
O maior impasse deliberado sobre tal genocídio são as alianças políticas que dificultaram a exploração do tema. A Turquia até hoje nega que tal atrocidade tenha ocorrido, não reconhecem sequer o termo genocídio. Possuem seus termos para explorarem os acontecimentos da época, como uma guerra civil descontrolada que sucedeu com baixas entre dois lados.
Mas todos os historiadores e documentações corroboram com a versão constrangedora da humanidade. Mais de 1 milhão e meio de armênios foram mortos entre 1915 e 1917.
Aqui em São Paulo temos uma estação do metrô e um memorial dedicado ao acontecimento, poucos notam isso.

Memorial armênio em São Paulo

Memorial armênio em São Paulo

Muitos se sensibilizam com filmes sobre genocídios, e todo ano há ao menos um sobre o holocausto disputando atenção e a manter a tal consciência do Never Forget.
Mas esses mesmos muitos acabam se furtando de um interesse global e deixam apenas para se emocionarem com boas atuações.
A Promessa tem um triângulo amoroso num melodrama que é abafado pelo desespero da guerra e o genocídio elaborado pela potência turca que tinha como grande aliado naquela guerra a Alemanha que pelas mãos do Kaiser abastecia seu exército com navios e artilharias modernas
Um povo que não teve grande oportunidade de se defender, castigado por um ato conhecido como Marcha da Morte, onde milhares de homens, mulheres e crianças foram lançados ao deserto de Deir ez-Zor para morrerem por inanição e desidratados.
Após assistir ao filme vi que após seu lançamento no festival de Toronto milhares de trolls classificaram site IMDB com uma estrela para desmerecer a obra.
Fato interessante foi quando soube que o investimento não veio de todo dos estúdios americanos e sim de uma herança de Kirk Kerkorian, filho de imigrantes armênios que fez fortuna como empresário e dono de cassinos e que faleceu em 2015, ano do centenário do genocídio.
“Tá, você é o cara que já sabia desse genocídio há muito tempo e agora tá bancando o pedante e crítico do desinteresse dos outros”
Na verdade, sei do genocídio armênio desde que me interesso por rock. Sim. Como admirador da banda System of a Down sempre dei ouvidos ao frontman Serj Tankian, que possui descendência armênia e mantinha o discurso de encorajar a propagação do que ocorreu ao seu povo.
Mas o meu interesse escapou pela diagonal e na época do lançamento do Youtube além de ver vídeos engraçados assisti dezenas e dezenas de documentários sobre outras matanças, como por exemplo o de Ruanda, que por curiosidade há um filme obrigatório para assistir do mesmo diretor de A Promessa: Hotel Ruanda.
E não me sinto confortável, em nenhum aspecto de minha vaidade, em me considerar um pedante quando discorro sobre o tema.
Se achou isso deixo a minha queixa: Pare de ser tonho(a) e se ligue no assunto que é mais urgente.
Pressão política sobre algo que ocorreu há um século é valido sim, tanto mais quando atualmente há uma força contrária aos que se pronunciam contra a Turquia que enverga por um caminho obscuro com Erdogan no poder.
O filme incomodou o antigo Império Otomano. Em defesa de sua versão a Turquia produziu um filme intitulado The Ottoman Lieutenant, que em rápida pesquisa notei críticas severas quanto à desconstrução dos acontecimentos históricos.
Para se ter uma ideia, seria o mesmo que se a Alemanha tivesse lançado uma versão em que mostraria “um soldado nazista consciente que honra o país e o governo ao mesmo tempo em que tentaria salvar alguns judeus de uma guerra civil perpetrada pelo próprios semitas em solo europeu”.
Antes de considerar que as minhas comparações estão tendendo ao desmerecimento do holocausto volto a dizer: Pare de ser tonho(a).
Uma das maiores propagandas das campanhas do #NeverForget enfatizaram que a humanidade precisa, urgentemente, a aprender a se curar com os genocídios, de forma a identificar o patógeno e evitar que outros aconteçam, e não somente ficar rememorando em cenas que arrancam lágrimas.
Um dos banners que vi em 2015 num show da banda SOAD na Armênia trazia uma imagem de uma silhueta do imperador turco usando um chapéu fez e outra de Adolf Hitler com seu bigodinho com os dizeres em tradução livre: “Condenando o primeiro, nós poderíamos ter evitado o seguinte”

Never Forget

Never Forget

PS: entenda “tonho(a)” como bem lhe aprouver.
PS2: A parte 2 sairá em breve.

Ma’a salama

 

Deixa Quieto (Nevermind)

A banda Macaco Bong lançou agora em setembro mais um álbum fodástico.

Se você curte bandas que priorizam faixas integralmente instrumentais e em algum momento da vida foi apaixonado por Nirvana (a banda do século, não o estágio de libertação final do budismo) provavelmente irá adorar o álbum Deixa Quieto.
A banda produziu o álbum de forma independente e disponibilizou em seu canal no Youtube o disco na íntegra para quem quiser ouvir e pirar com o trabalho:

Ma’a salama

Death Note

Na última sexta-feira (25/08) estreou mundialmente a versão americana de Death Note, sem subtítulo em português mesmo pela Netflix Brasil.
Se em 2015 a Netflix buscava galgar as mais altas premiações cinematográficas com o lançamento de Beasts of Nation, que tinha bom roteiro, direção, produção e atuações, hoje vemos que a adaptação do anime homônimo que conquistou milhões de fãs parecia estar mais interessada no entretenimento.
Ao que parece, a exibição foi exclusiva ao streaming, seguindo os exemplos de outras produções originais de baixos orçamentos e também de pomposos, com produtores e atores de renome, como War Machine, drama de guerra protagonizado por Brad Pitt.
Nunca li o mangá ou assisti ao anime original. Única vez pude assistir à versão japonesa de Death Note, somente o primeiro dos três, não por desinteresse, falta de oportunidade mesmo.
Mas o filme lançado em 2006 me cativou com sua trama envolvente, lembro de ter pensado em porquê ignorei aquele mangá estranho. Por pobreza preguiça, não pude adquirir os volumes.
Talvez, por ser vítima da comparação e da alta expectativa, não gostei tanto da versão americana lançada na semana passada.
Não é de toda ruim, o visual é legal, os efeitos e algumas mortes são apelativas, mas não exploradas de forma exageradas.

Shinigami, o ceifador

Shinigami, o ceifador versão nipônica

Os personagens que não se encaixaram com as minhas expectativas, sim, talvez seja pela comparação com a versão japonesa. Mas, juro que tentei separar o joio do trigo, tomei umas brejas para ajudar. Simplesmente não desceu.
Aí entrou questões importantes que confrontaram o meu ponto crítico.
A produtora desse longa é nada menos que a própria distribuidora e divulgadora, a poderosa Netflix. E para os poucos que sabem, ela tem apenas uma sala com a placa escrito “Criação” na porta, onde dentro ficam grandes mentes artísticas gastando longas horas de brainstorming e palpites de tendências do entretenimento. Nope! A poderosa do streaming trabalha com um dos maiores mecanismos de Big Data do mundo.
E é a partir de dessas análises que são captadas por sofisticados algoritmos que tiram insights do que seria produção com grandes chances de audiência.

Um exemplo foi a série House of Cards, nascida após o cruzamento de dados ter indicado em resumida deixa:
“Todos os espectadores que assistiram à versão britânica de House of Cards gostam também dos filmes em que o Kevin Spacey é o protagonista e de suspenses maduros e realistas e sombrios dirigidos pelo David Fincher”.
Pode parecer um A+B+C+D = X, mas os mecanismos da gigante capta praticamente tudo que pode quanto ao que um assinante assiste. Como quando deixou de assistir um filme, um evento de “qual cena foi a responsável pelo abandono?” trabalha sobre o seu perfil.
Nesse ano eles alteraram de forma brusca a forma de rating, ou como um espectador avalia um filme. As antes cinco estrelas foram substituídas pelos sucintos gostei-nãogostei. Agora somos como um imperador romano, decidimos com polegares a sorte da obra assistida.
E o que tudo isso tem a ver com a versão americana de Death Note?
Que conhecendo a Netflix sei bem que a produção não nasceu da conversa de um produtor com o executivo-mor. Minha certeza quase (sem modéstia, afinal, erro bastante nessa vida) absoluta é que o filme foi o resultado de alguma análise maciça de dados que se cruzaram e indicaram os preâmbulos de como seria o enredo, os personagens e suas ações.
Provavelmente eu não faço parte do perfil que eles pretendiam atingir e agradar. Para quem fuça o seu catálogo em seus gêneros e subgêneros sabe bem que eles atiram para todos os lados, com a ambição de conquistar todos os grupos de perfis possíveis.
Não gostei muito dessa versão, mas devo salientar e bater na tecla de que não sou contra novas versões, sejam de livros, hqs, músicas ou filmes.
Lembro de ter ficado empolgado quando anunciaram um longa de Akira produzido por Christopher Nolan. Adorei a versão Ghost In The Shell com a Scarlett Johansson como protagonista. E certamente haverá outros exemplos que me é gasto o exercício da lembrança.
Arte é isso. Um eterno renovar das perspectivas.
Só há o risco de não agradar certas personas. Mas todo artista assume esse risco quando vai adaptar qualquer obra que seja.

Ma’a salama

Star Wars 40 anos e Dia do Orgulho Nerd

Hoje é o Dia do Orgulho Nerd.
Data escolhida por ser o dia de estreia do primeiro Star Wars , hoje conhecido como Episódio 4 – Uma Nova Esperaça (Episode 4 A New Hope), em que o mundo conheceu a space opera que veio a se tornar na saga empolgante que criou toda uma cultura alternativa com seus mitos, símbolos e personagens idolatrados (Darth Varder deve ser o vilão mais admirado e adorado do mundo se comparado com os herois da saga).
Vale lembrar que a saga havia se encerrado com o Episódio 3 em 2005, mas em 2012 a Disney comprou a Lucas Films, estúdio do visionário George Lucas e renovou a franquia dando continuidade com o Episódio 7 – O Despertar da Força  (Episode 7 The Force Awakens) e sem previsão de fim, com a ambição de lançar um filme a cada um ou dois anos, proposta que está sendo cumprida até o momento.
Essa quarentona está num pique como se estivesse nos seus vinte e poucos.

SW 40 anos

SW 40 anos

O dia também é conhecido como o Dia da Toalha, em referência à hilária série O Guia do Mochileiro das Galáxias de Douglas Adams.

O conceito de ser nerd hoje se popularizou e muito com as diversas obras de ficção científica e fantasia adaptados nos últimos 20 anos.
Por mais que tudo seja uma gritaria demandada pelas grandes corporações do entretenimento é bacana ter uma data para celebrar esse gosto por magias e conflitos em outras galáxias para alegrar esses diferentões.

Ma’a salama