Na Era em que os Gárgulas Andavam

Olá!

Na Era em que os Gárgulas Andavam é meu mais novo livro, publicado de forma independente em ebook pelo KDP da Amazon.
Está com um preço (por tempo limitado) inaugural bem camarada: R$ 5,99 (Cinco reais e noventa e nove centavos).
Para comprar basta clicar neste link: https://www.amazon.com.br/dp/B09HP4WMN2


Sinopse:

Dalileia, uma jovem marinheira, encontra no porão do navio de escravos um livro em branco.
Livros não religiosos não podem ser lidos ou tocados.
A escrava Annapuris indica que há um texto oculto no misterioso livro.
Curiosa, Dalileia aceita a ajuda da escrava que consegue revelar o texto que desafia as regras da maior religião monoteísta contando outra versão da história.
Pela leitura clandestina desbrava um passado fantástico repleto de aventuras e se simpatiza por um gárgula com o dom da cura, mas que até então era considerado uma criatura das trevas.
E como parar quando a primeira linha já a condenou à perdição?
“Esses são relatos de uma era em que os deuses eram insultados, reis caíam e os gárgulas andavam”

Em Na Era em que os Gárgulas Andavam são homenageadas a literatura, a ciência, a liberdade de pensamento, a ficção científica e fantasia.

Espero que goste dessa obra, está repleta de aventuras em um universo especulativo onde a fantasia e a ficção científica batem de frente assim como em minha obra anterior (Ouro é para os Fracos).
Acompanhe a jovem marinheira Dalileia na descoberta de um mundo oculto.
Torça pelo gárgula Rindovel envolvido em tramas políticas que envolvem grandes reinos.
Viaje pelos domínios de ThuninVor, GaenBorn, LintsDam, MamoninGal, BastinVor, BalesqVor, CrontFenas, AstorGian.
Prenda a respiração enquanto vislumbra lutas em arenas clandestinas, torneios contra soldados reais em labirintos mortais, fugas impossíveis, encontros com o Necromonte, sabotadores invisíveis e seres que se dizem próximos da maior divindade do mundo conhecido.

Na Era em que os Gárgulas Andavam
Na Era em que os Gárgulas Andavam

Embarque nas páginas dessa Rocky Saga e tenha uma boa leitura.


Ma’a Salama!

Mo (Série da Netflix)

Eu iria colocar como título Mo – Um palestino no Texas, mas tive o receio de que interpretassem como um subtítulo brasileiro genialmente pensado pelo marketing.
Mo é uma série que estreou em agosto na Netflix em amplitude mundial.
O que mais me chamou a atenção é que a produção é da A24, estúdio responsável por grandes filmes nos últimos anos, principalmente de terror e com liberdade criativa atribuída aos produtores.
A série é estrelada por Mo (Mohammed) Amer como o personagem-título. A série é vagamente baseada na própria vida de Amer como um refugiado palestino que vive em Houston, Texas.)
Os americanos adoram reduções de nomes, Mohammed vira Mo (ou Moe), Alphonse vira Al (lembra do famoso mafioso Al Capone? Pois é), e nunca vi nisso um problema.
Considero a abreviação até charmosa.
Maratonei a série assim que estreou e o meu veredito é positivo, adorei o roteiro amparado na dramédia.
Sabia que existia um comediante chamado Mo Amer, mas nunca assisti nenhum stand-up dele, ou qualquer outra produção.
Como um palestino em uma família que está aguardando a oficialização da cidadania americana, empacada por burocracias mil e envolvida em todo rolo que é ser um imigrante refugiado palestino, o personagem se desdobra para viver e manter as contas em dia no tradicional estado do Texas, que a título de curiosidade, nos últimos anos tem sido figurado em um movimento separatista dos EUA com o nome TEXIT (pegando carona no Brexit) conquistando diversos políticos republicanos no engajamento.
A série não se perde muito em grandes explicações, não é documentário, é de fato uma dramédia focada em um personagem que mal segue o islã e vive em um ambiente culturalmente misto (a namorada de Mo é descendente de mexicana) em um estado tradicional e que possui grande luta contra imigrantes ilegais.
Mo tem nuances de todo o rolo cultural envolvido, muitas das piadas expressas eu vivenciei de alguma foram aqui no Brasil.
É sobre a ignorância histórica e geopolítica sobre a região, como muitas pessoas confundindo Palestina com Paquistão, ou então atribuindo referências judaicas quando tento esclarecer e centralizar sobre onde nasci: “Shalom!”, dizem muitos em boa intenção, mas equivocados porque sou do outro lado da fronteira e apesar da palavra para paz em árabe ser muito parecida (Salam), isso cai na dor de sermos um povo muitas vezes ignorada em seus problemas atuais (liberdade, refugiados, conflitos).
Veja, não clamamos o pódio de coitados número da região, há diversos povos que têm sofrido e muito em tempos recentes, procure pela situação dos curdos ou iemenitas por exemplo.
Porém, a causa palestina é algo que perdura há décadas, nossa Nakba começou no século XX, e não há milênios atrás.
São muitos detalhes a serem apontados, e todos considero importantes, pois são pequenas lutas, até erros de legenda que me incomodaram pelo simbolismo da luta que enfrentamos.
No segundo episódio intitulado “Mãe” há o detalhe descuidado por quem traduziu e legendou a frase original em inglês:
“Not as beautiful as back home but nice”
Ficando como:
“Não tanto quanto as de Israel, mas é”
O personagem é palestino, lar (home) para ele não é Israel, e sim Palestina.
E isso ocorre logo após uma cena em uma fazenda de azeitonas em que dois fazendeiros texanos expressam sua ignorância quanto a cultura.
Acho bom deixar claro que não culpo quem traduziu e legendou a série para português, tampouco rebaixar o seu trabalho, até porque tenho a impressão que esse ofício não é dado a cronogramas extensos, ainda mais quando a estreia da série é realizada na plataforma de forma mundial.
Esse foi um exemplo pequeno e ao mesmo tempo que incomoda que me deparo desde que me conheço como palestino vivendo no ocidente.

No mais, Mo é uma boa série contemporânea para assistir e dar umas risadas.

Mo
Mo

Ma’a salama!

O Melhor de 2021

Geralmente, tento dar chance para algo lançado no ano, com preferência para autores nacionais, sejam da vanguarda ou novos.
Mas confesso que esse ano foquei em uma fila de títulos mais antigos.
Descobri alguns nomes nacionais bem legais, como Samir Machado de Machado com o belíssimo “Homens Elegantes”, romance histórico de aventura no século XVIII recheado de referências da cultura pop com uma trama de espionagem de dar orgulho a Ian Fleming. Ainda mais que o desprezo pelo vilão já é garantido por ter um nome conhecido por todo cidadão brasileiro.
Adorei também “Cidades Afundam em dias Normais” da Aline Valek.
Desbravei a leitura de Zero K e agora sou iniciado em Don Delilo, um dos Big Four da literatura americana segundo disse uma vez Harold Bloom.

Mas o preferido do ano foi Ubik, de Philp K. Dick, o mestre da ficção científica.
Em Ubik se faz presente a paranoia comum nos livros de Dick, principalmente quando a trama dá corda, após a introdução do lugar comum do futuro em que a humanidade está presente no sistema solar, bem como há uma variedade de precogs, telepatas e humanos com capacidades especiais. Em contrapartida há empresas que trabalham com segurança contra esses especialistas.
Adiantar ou resumir qualquer outro detalhe estragaria todo o prazer que a obra pode proporcionar. De longe a minha predileta do autor falecido antes mesmo que Blade Runner fosse estreado.

"Eu estou vivo e vocês estão mortos"
“Eu estou vivo e vocês estão mortos”

Ah, como aqui a autopropaganda é permitida, acho bom ressaltar que lancei mais uma obra de Ficção Científica e Fantasia: Na Era em que os Gárgula Andavam
Está com um preço bem camarada e agradeço os feedbacks se gostar. ;)


Musicalmente considerei um ano fraco. Quase não acompanhei grandes lançamentos, e os que me chegaram não foram lá grande coisa.
O que cativou foi a banda Margaritas Podridas, do México, com protagonismo feminino e com grande influência no grunge e psicodélico.

Cobain curtiria
Cobain curtiria



Li poucos quadrinhos.
Mas o melhor é o argentino “Guarani – A terra sem mal”, com roteiro de Diego Agrimbau e arte por Gabriel Ippóliti. A HQ conta sobre a guerra do Paraguai, em que o Brasil participou e foi responsável por exterminar a maior parte da população paraguaia. A história acompanha o fotógrafo francês Pierre Duprat, contratado para registrar o violento episódio.

Crianças no front paraguaio
Crianças no front paraguaio

Duas séries documentais que mexeram comigo esse ano, ambas para ficar com nojo, uma para um ícone do cinema, outra para com o racismo estrutural:

Allen Vs Farrow: essa série documental me revelou as denúncias bizarras contra Woody Allen, o grande cineasta e queridinho ianque. Se já entortava o olhar com a histórica dele ter se casado com a filha adotiva fiquei puto ao saber do abuso que fez com a outra filha. Dificilmente assistirei outro filme dele novamente, e olha que dá dor ao lembrar que adoro Noivo Neurótico Noiva Nervosa (Annie Hall).

Colin em Preto e Branco (Colin in Black & White): Colin Kaepernick (Jaden Michael), ex-jogador de futebol americano que atuou no San Francisco 49ers narra a sua história, desde a adolescência, indicando e apontando os detalhes do racismo estrutural, englobando até mesmo a família, pois era adotado por uma família branca ingênua quanto a questão racial. Com as dramatizações, é uma ótima indicação para quem quer entender as perspectivas do atleta que ganhou notoriedade quanto a causa ficando de joelhos durante o canto do hino na NFL.

Colin em Preto e Branco
Colin em Preto e Branco

Alguns filmes tão esperados não decepcionaram.
Um exemplo é Duna (Dune), o filme de Denis Villeneuve com estonteante trilha de Hans Zimmer não cambaleia em nenhum momento. Achei ótimo terem dividido o primeiro livro em duas partes. O ruim é ter que esperar até 2023 a conclusão…

Gostei também da versão Snyder da Liga da Justiça, foi um filme melhor que a versão lançada em 2017. Com melhores arcos e noção de um saga que o diretor tinha pensado, e que infelizmente não verá a luz do dia, a não ser que os fãs façam barulho por isso. Bom, funcionou para o lançamento de seu corte, veremos o que vai dar.
Pelo menos o tio Zack lançou outro filme de zumbis: Exército dos Mortos (Army of the Dead), que é pipoca, mas legalzinho para a proposta.

Grande destaque do ano para o tenso e comovente Meu Pai (Father) com atuação merecida de Oscar de Sir Anthony Hopkins sobre o alzheimer.

Ataque dos Cães (Power of the dog) lançado no último mês foi uma boa surpresa também, não a toa é uma das apostas da Netflix para o Oscar.

Porém, o pódio dos filmes vai para o indiano Tigre Branco (White Tiger).
Nem lançarei a sinopse, esse tipo de filme deve ser visto assim como experimentei, sem ver o trailer.
Pois se espera o típico filme de bollywood vai sentir o baque de uma história que escancara a existência das desigualdades de um país que tem um abismo a ser vencido entre sua monumental população.

Mencões honrosas para: O Culpado ( The Guilty) e A Crônica Francesa (The French Dispatch).

No final do filme não tem dancinha
No final do filme não tem dancinha

De séries tive muita expectativa com Fundação (Foundation), então o meu sentimento quanto a primeira temporada é morna, não somente por ser fã dos livros do mestre Isaac Asimov, mas pela condução da trama que ganhou traços entendíveis pelas mãos do roteirista David Goyer, porém, que tropeça em cativar com a noção do todo.
Y – O último Homem (Y – The Last Man) acabou sendo cancelada na primeira temporada, o que é triste, pois a série tinha um potencial muito forte e necessário a ser explorado.

Cowboy Bebop infelizmente não teve fôlego e foi cancelada na primeira temporada. Uma pena, pois o anime está no meu Top5 de sempre.

A alemã Babylon Berlin foi uma ótima descoberta, com uma produção caprichada para dar o tom de 1929 na capital da Alemanha pós primeira guerra e que caminhava para os ares do nazifacismo posterior. Minha bronca foi com o final da segunda temporada para frente (até a terceira) em que a trama se tornou rocambolesca. Espero que melhore na quarta temporada.

Invincible foi um desenho para agradar os fãs de The Boys que não tiveram uma terceira temporada esse ano.
Them foi outra série boa, embora considere o elemento do horror pouco cativante se posto do lado do racismo que a tal família da vida real deve ter enfrentado.

A conclusão de Narcos México foi bem articulada, com um arco em paralelo que rendeu um complemento interessante quanto a questão de violência doméstica além do mundo do narcotráfico.

O pódio das séries vai para a terceira temporada de Succession.
Por que pouca gente está assistindo isso? É uma série primorosa, de dramédia para sentir repulsa de uma família rica e idiota, não tem como não gostar.

"Fuck off!", na voz de Logan Roy
“Fuck off!”, na voz de Logan Roy

Por fim encerro essa modesta retrospectiva com uma foto que me deixa consciente do privilégio da vida boa que tenho, mediante todos os acontecimentos que o povo brasileiro sentiu nesse ano tenso, quando a pandemia chegou a ser mais mortal que no ano anterior e a economia bagaçada nessa lama de péssimas decisões políticas.
A vaca magra posta dias depois do Touro da B3 é um retrato mais fiel e verdadeiro da realidade de muitas famílias que infelizmente sofrem para garantir o mais básico na mesa de jantar.

Touro de Tolo versão magra
Touro de Tolo versão magra



2021 se vai com grande benção a 2022, ano copa do mundo, eleições, e de esperança de mudança.

Vamos que vamos.
Ma’a Salama!

Naruto ou A Cruzada das Crianças

*** CONTÉM SPOILERS ***

Descobri o que era Filler quando mencionei que desejava assistir Naruto, e amigos me disseram que tinha muita encheção de linguiça e acabaram por explicar do que se
tratava.
Ninguém poderia me chamar de Otaku, hehehe.
Ao iniciar em 2020 a saga do garoto loiro com a raposa de nove caudas selada em seu corpo, a constatação veio certeira: uma penca de episódios que desanimam quem não é naruteiro raiz.

O Time 7
O Time 7

Fico satisfeito com o término de Shippuden, que fechou a estória proposta desde o início, explicando o surgimento do mundo ninja e dos chakras.
Tanto que não tenho interesse algum em ver Boruto (Naruto Next Generations).

No entanto, foi uma experiência legal acompanhar essa saga criada por Masashi Kishimoto.
Ao longo de pouco mais de um ano e meio acompanhei os dois volumes (com fillers) e o resultado foi positivo.
Não somente pela estética e trama de grandes batalhas que satisfazem o estilo Shonen (a luta entre Gaara e Rock Lee é umas melhores da série), ou pelo fato de me manter atualizado com uma nova geração que enchia as redes com referências naruteiras e com cosplays das tais capas pretas com nuvens vermelhas da akatsuki.


Ou então pelas diversas referências religiosas e mitológicas como do Xintoísmo (Izanagi – pai dos deuses, Izanami – mãe dos deuses, Susano – deus do mar, Amaterasu – deusa do sol), ou Hinduísmo (Chakra, Flecha de Indra, os sete caminhos de Pain) entre outras.
São detalhes que enriqueceram muito a experiência, mas um dos maiores destaques ao desenrolar da série, tanto do volume 1 (Naruto) quanto do volume 2 (Shippuden) é que 95% dos arcos de personagens são voltados para dramas e traumas ocorridos na infância. Tanto que a série poderia muito bem ter o subtítulo de “crianças sofridas”.
O que para uma cultura como a do Japão se encaixa num patamar de confronto ao que vivem: suicídios em altos índices em crianças e adolescentes, niilismo da juventude expresso em diversos grupos, dúvidas das novas gerações quanto a economia e afins.

Arrisco a dizer que Kishimoto é um grande artista devido a essa consciência artística nobre, que é de destaque quando se produz conteúdo para crianças e adolescentes consumirem.
Espero que tenha alcançado o coração de gerações com o espírito de amizade, fraternidade, liberdade e sonhos vívidos expressos entre uma luta e outra e refeições de ramen.

Ma’a Salama Dattebayo!

Para entender Palestina x Israel – Parte 1

Se você tiver um interesse genuíno em entender o conflito Palestina x Israel, com paciência e dedicação mínima, além dos noticiários e postagens internéticas deixo aqui algumas recomendações de filmes e documentários, não somente de produções palestinas, mas do lado israelense também.
Por ter nascido lá, ter família nos territórios ocupados, é óbvio que sempre terei o ponto de vista a partir da Palestina, a favor da liberdade, dignidade e prosperidade desse povo que sofre não somente há décadas, mas há séculos, considerando que o território palestino sempre esteve ocupado por outras potências e impérios.
Por ter sido criado em terras tupiniquins, não seguir cegamente uma religião e ter uma visão humanista, sempre busquei atenuar o óbvio ódio que inflamaria ao ver qualquer notícia de lá.
Se você entender a questão palestina, tenha em mente que não deve odiar Israel, ou pior, se tornar um antissemita.
As atuais lideranças extremistas dos dois lados são repugnantes e desumanas. Mas tenha certeza que a maioria de civis de ambos os lados desejam a paz e infelizmente são os que mais sofrem.
Os palestinos, além da paz, também são esperançosos quanto a um direito básico: liberdade.


Filmes

O Paraíso, agora! (Paradise Now; 2005) [PALESTINA]
Em Nablus, Said e Khaled, dois jovens amigos de infância se alistaram em um grupo terrorista.
O chamado vem e são escalados para uma missão suicida em Tel Aviv.
O filme demonstra de forma muito humana os personagens, indicando os pormenores das famílias dos homens-bomba, suas motivações, além de mostrar as diferenças entre os dois lados da fronteira.
Há certos momentos de humor bem dosados na quebra da tensão.

Belém: Zona de Conflito (Bet Lehem; 2013) [ISRAEL]
Belém é uma cidade de grande importância para os cristãos. E sim, há palestinos cristãos na cidade palestina de Belém, que abriga a igreja da natividade, denominado como o local de nascimento
de Jesus Cristo.
No filme, a cidade é palco de disputas de soldados israelenses contra grupos terroristas como o Hamas que querem expandir seus domínios além da Faixa de Gaza.
O jovem Sanfur é recrutado por Razi, um agente do serviço secreto Shin Bet como informante.
A trama mostra o desenrolar crítico entre os dois lados e o desequilíbrio do jovem informante.
Há diversos pontos narrativos que considero tendenciosos, de modo discretos, através de arquétipos, mas o roteiro contém vários detalhes que sumarizam e muito a essência do conflito, principalmente sobre teimosia:
“Ainda assim é uma cabra”

Após esses dois filmes fique a vontade para ver uma penca de outros:
[Palestina]
O Paraíso deve ser Aqui ( It Must Be Heaven; 2019)
Omar (Omar; 2013)
O Ídolo (Ya Tayr el Tayer; 2017)

[Israel]
O Limoeiro (The Lemom Tree; 2008)
Valsa com Bashir (Valtz with Bashir; 2008) *animação dirigida por um ex-soldado
Uma Garrada no Mar de Gaza (A Bottle in the Gaza Sea; 2013)

Série

Our Boys (2019) {ISRAEL-PALESTINA}
Essa série da HBO é uma produção em conjunto entre Israel e Palestina, abordando as trágicas histórias dos adolescentes mortos em 2014, primeiro os três judeus sequestrados por terroristas
árabes e mortos, e posteriormente o sequestro de um jovem palestino por um grupo de judeus fanáticos que desejavam fazer justiça com as próprias mãos.
Em dez episódios são mostrados o ocorrido, a investigação e o julgamento do grupo israelense-judaico responsável pelo sequestro do jovem palestino.
A série deixa claro o problema que ambos os lados enfrentam ao lidar com seus fanáticos que agem por conta própria, pois até mesmo o Hamas nunca assumiu a autoria do plano do sequestro dos três jovens judeus.
O conflito de 2014 foi um dos mais sangrentos das últimas décadas.

Listei os filmes primeiro, pois a arte e adaptação humaniza, remove o preto e branco, o lado certo, o lado errado.
Após ver esses filmes, sugiro ver documentários que exploram o assunto.
Há dezenas deles, certamente, indicariam o Occupation 101, mas para ser franco, há dois que elenco como essenciais:

5 Cameras Quebradas (5 Broken Cameras) [PALESTINA-ISRAEL]
Feito de forma “artivista”, caseira, político desgarrado de vínculo partidário, muito sincero e que mostra a luta que escoe pelo tempo.
5 Câmeras Quebradas mostra Emad Burnat e suas cinco câmeras filmadoras que foram destruídas durante os anos de documentação da resistência pacífica-criativa e protestos contra o contínuo roubo de terras palestinas por colonos apoiados pelo exército e aparato sofisticado de um estado imensamente superior.
Esse documentário me tocou muito, porque muitas cenas que são mostradas tinha visto no decorrer dos anos em noticiários de sites como Haaretez e YnetNews.

Os Guardiões (The Gatekeepers; 2012) [ISRAEL]
Seis ex-chefes ainda vivos do Shin Bet, o serviço de inteligência israelense criticaram em entrevistas elaboradas pelo diretor Dror Moreh abertamente a política de segurança
de Israel, incluindo missões que causaram inúmeras vítimas civis e assassinatos de líderes palestinos.
Esse documentário aborda principais tópicos do conflito desde a fundação do estado de Israel em 1948.
Esse documentário me perturbou em vários momentos, talvez, por ser sincero quando os entrevistados são antigos “Heads” que tomaram grandes decisões, apartando uma estética “artivista”.
As conclusões dos entrevistados continuam refletindo o grande problema em que o estado vem se atolando.

Espero que essas indicações ajudem a entender o que acontece lá.

Salam (paz)!
Ma’a Salama!

Prêmio Le Blanc 2021

Pessoa querida!

Se leu e curtiu o meu último livro publicado (a saber, Ouro é para os Fracos), peço aquele apoio camarada em votar no mesmo no Prêmio Le Blanc 2021.

O prêmio é organizado pela escola de Comunicação da UFRJ (ECO/UFRJ) e a Universidade Veiga de Almeida (UVA).
O nome do prêmio é uma homenagem ao artista haitiano André Le Blanc.


Para votar é muito simples, basta acessar o link abaixo e informar apenas nome e e-mail e o livro indicado na categoria.

[EXPIRADO EM 23/04/2021]
AGRADEÇO DE CORAÇÃO A TODOS QUE VOTARAM :)


Link: https://forms.gle/mHGCgiWXatRXEX6H6

Segue abaixo exemplo para votação na cédula.

Após inserir e-mail e nome completo basta digitar o nome da obra na categoria “Romance nacional inédito…“, nesse caso: Ouro é para os fracos


Caso não tenha lido nenhuma coletânea pode deixar a categoria “Antologia/Coletânea… ” em branco.

Clique em “Submit” e pronto.
Você estará me ajudando nessa primeira fase do prêmio.

Agradeço o apoio desde já.

Ah, se você não comprou ainda Ouro é para os Fracos ele está disponível na Amazon com desconto.


Ma’a Salama!

O corte Snyder da Liga da Justiça

No longínquo ano de 2004, eu e uns amigos alugamos o filme Madrugada dos Mortos (Dawn of the Dead), dirigido pelo Zack Snyder, ainda sem a fama de “visionário”.

Poucos meses depois, havia na mesma locadora um DVD com uma tarja indicando a versão do diretor, com cenas extras inéditas.
Naquela época, eu e meus amigos contávamos as moedas para alugar filmes, e repetir era quase impensável.
Mas como aquele filme de zumbis tinha sido muito bom decidimos arriscamos e alugamos a versão “Snyder Cut”.
O resultado foi que ficamos revoltados, pois as tais cenas inéditas não passavam de 5 minutos.

Corta para 2010, e uma versão em Blu-Ray saiu com outra versão do diretor, mas, macaco velho, conferi a duração, e não passava de 10 minutos. Não cairia naquele golpe de marketing novamente.

Corta para 2017, e é lançado o filme Liga da Justiça (Justice League) com a história do abandono da direção devido a morte da filha de Zack Snyder.
O diretor que assumiu mudou várias coisas, incluindo ter dado luz ao mundo (Snyder sempre gostou de abusar nos tons escuros e sombrios de seus filmes), bem como ter deixado de fora várias cenas filmadas.
Naquele mesmo ano já se iniciou um movimento dos fãs dos quadrinhos para que a Warner disponibilizasse a versão do Snyder.
O movimento foi tão grande que vingou, e os estúdios bancaram não somente o lançamento como também deram sinal verde para que o diretor pudesse refilmar algumas cenas.

Corta para 2021. (Atenção! Possíveis spoilers)
Assisti ao Snyder Cut e sou do time que adorou essa nova versão, bem melhor que a corriqueira de 2017.
Os pontos que me cativaram são vários, mas os principais são aqueles que davam mais espaço aos arcos de personagens como o Cyborg, Flash e Aquaman.
Gostei também pelas opções da trilha sonora, que vai desde Nick Cave and The Bad Seeds até Leonard Cohen.


Cadê o arqueir..., epa, filme errado!
Cadê o arqueir…, epa, filme errado!



Um ponto me incomodou muito: uma explicação da Mulher-Maravilha sobre a batalha antiga em que Darkseid já tinha vindo à Terra, e uma aliança entre os povos antigos para vencer tal guerra é narrado por ela com um tom de voz como em se ela estivesse em off, com uma empolgação incoerente, sendo que a cena em si era um diálogo com o Bruce Wayne.
Mas enfim, duvido que outras pessoas se incomodem com isso. Sei que sou o chato da história.

E muita gente tem reclamado do epílogo (o filme foi divido em partes), dizendo que as cenas finais são desnecessárias, com uma “forçação” de barra para aparecer personagens como o Coringa do Jared Leto e o Caçador de Marte (também conhecido como Ajax hahahaha).
Mas entendo o intuito do Zack Snyder. Ele quis mostrar de forma provocativa como seria o seu plano de filmes, para possíveis continuações.
E eu também não podia reclamar do final extenso, afinal, no passado tudo o que eu gostaria de uma versão do diretor eram cenas e mais cenas, e não apenas 5 minutinhos a mais.

O filme deu um fôlego para a DC e também para Snyder, que espero algum dia poder fazer um filme de ficção realista mais voltado para o drama, sempre imaginei que sua visão criativa e sombria combinaria com algo do tipo.

Ma’a Salama!

O Fim do Daft Punk

Na semana passada o duo francês Daft Punk anunciou ao mundo que estava encerrando suas atividades musicais.
O anúncio veio acompanhado de um vídeo de poucos segundos e gerou comentários de todos os tipos nas redes, sobre a criatividade de utilizar uma vinheta como aquela.
Porém, o que pouco comentou-se é que o vídeo é uma cena de um filme da banda chamado Electroma lançado em 2006, não foi algo desenvolvido para essa despedida, mas foi um bom aproveitamento.
Esse filme sem diálogos tem uma  pegada bem intimista, característica que sempre me cativou em suas músicas.
Ok, eles sempre tiveram um apelo comercial e pop demais, quantas vezes não deve ter rolado a música “One More Time” nas rádios e baladas.
Sem contar em seus trabalhos realizados para marcas como Louis Vuitton e parcerias para singles com nomes como Pharrel Williams.
Mas Daft Punk ainda possuía a consciência de um cenário eletrônico com um movimento de grandes trabalhos carregados com significados de dance com intimismo.
Não a toa o duo francês conquistou fãs do mundo inteiro, desde o disco Discovery que trazia a ótima “Harder Better Faster Stronger”, faixa-título inclusive que minha namorada tem tatuado no braço.

Eu particularmente gosto muito do álbum Human After All de 2005, que da primeira à última faixa me deixa imerso como se numa narrativa com prólogo, ato e epílogo.

Sempre brilhando

Sempre brilhando



Também sou muito de apreciar as faixas totalmente instrumentais como Rollin’ & Scratchin e Make Love que sempre me chamam a atenção quando outros DJ’s as “sampleam”.

Ma’a Salama!

O Melhor de 2020

Só os melhores momentos…
Ok, nem posso reclamar muito.
Passei (e continuo) os meses durante esse evento com privilégios.
Trabalho sem abalos, o conforto de morar sozinho, e ter uma internet boa para dar conta do recado das lives com amigos ao redor desse pequeno mundo.
Passei por um susto em agosto, uma dor no peito que me levou a UPA: Viva o SUS! Defenda o SUS!
Fiquei por quase dois meses afastado das redes, foi um detox (odeio essa palavra) necessário e que ajudou muito a cabecinha a entrar no lugar.

Aproveitei e tirei um projeto da gaveta, de um wordbuilding elaborado quando fiz um pequeno tour pelo oriente-médio e visitei minha terra natal em 2012.
E eis que em 10 do 10 de 2020 publiquei Ouro é Para os Fracos.

Por enquanto está disponível somente no formato ebook.
Se curte Ficção-Científica/Fantasia/Aventura em universos fora dos moldes convencionais dá uma conferida no site da Amazon clicando aqui.

Ouro é para os fracos

Ouro é para os fracos

De quadrinhos li o lançamento das tiras compiladas de Maxwell, o Gato Mágico, do mestre Alan Moore.
Interessante ver a evolução de um personagem de um jornal local, dando aos poucos vazão à genialidade de Moore.

Maxwell

Maxwell

Foi um excelente trabalho de edição da editora Pipoca & Nanquim.

Pensei que leria mais nesse ano, mantive a média.
Li clássicos como Piquenique na Estrada, dos russos Arkádi & Boris Strugatski, obra essa que serviu de inspiração para o filme Stalker do Andrei Tarkovski, que adoro muito.
Complô contra a América, do Philip Roth foi uma leitura sensacional, ainda mais com cenário atual que o protagonismo americano tentava se esquivar como método de orgulho nacional, senti que o papel que os EUA tinham durante a 2ª Guerra foi essencial, e que felizmente a derrota do Trump nas eleições dos de cima talvez crie uma sensação de segurança maior quanto ao progresso responsável frente a outra potência: China.
Dos nacionais, tomei vergonha na cada de ler Ana Paula Maia, gostei muito de Enterre Seus Mortos, e sua prosa que mira personagens em profissões que andam de mãos dadas com a morte.

Enterre seus Mortos

Enterre seus Mortos

Um bom lançamento foi o As Sobras de Ontem, de Marcelo Vicintin, que em uma narrativa sob dois pontos de vistas explora mundos de uma elite brasileira aos pedaços.

As séries salvaram os viciados, pelo menos, as que já estavam completas.
Várias segundas temporadas boas, como a de The Boys.
Homecoming foi continuada de forma maestral, e é curta, assisti numa tacada só.
Better Call Saul atingiu o limite das aparências com Breaking Bad.
Mas as pérolas do ano foram O Gambito da Rainha, que me lembrou da infância cativada pelo xadrez, e a série Succession, que deixou com gostinho de quero mais.

Família ê família a

Família ê família a

Menções honrosas: The Terror (1ª temporada), The Office (US) que nunca tinha visto, e Community (que tem um personagem árabe nerd) bem como a saga de ter finalizado How I Met Your Mother.

O cinema, que foi uma indústria que não parou nem durante a 2ª Guerra, tampouco com a greve de roteiristas de 2007, sentiu a sua maior crise nessa pandemia global.
Críticos já rotulam como o pior ano do cinema.
Eu, como cinéfilo, senti também com os adiamentos de grandes obras que queria muito ver, a saber 007 e Duna.
Tenet foi a aposta do mercado na reabertura, consideravam que o nome santificado Nolan iria salvar toda a indústria, o que não ocorreu.
O filme em si é legal, bugou a cabeça de muita gente, mas supriu a minha vontade de ver uma estória de espionagem.

Os melhores desse ano para mim foram:
The Sound of Metal, com uma atuação de tirar o chapéu para Riz Ahmed.

Riz Ahmed não deu ouvidos às críticas

Riz Ahmed não deu ouvidos às críticas

Arkansas, que foi um achado zapeando o catalogo da Prime.
O Diabo de Cada Dia, com um elenco muito e dirigido por brasileiros.
Entre Facas e Segredos (Knives Out), com a quebra dos clichês e estereótipos numa trama engraçada.
A Vastidão da Noite (The Vast of Night), que souberam entregar um suspense com baixo orçamento, me lembrou bastante Ponty Pool de 2008.

Como bom roquista roqueiro  curti muito o lançamento de Quadra, do Sepultura, um dos melhores da banda.
Meu espírito adolescente veio a tona numa sexta de manha quando o SOAD (System of a Down) simulou a “volta” com o cunho mais político ao disponibilizar as faixas “Protect The Land” e “Genocidal Humanoidz”.
Mas o achado mesmo foi Nelson D.
O álbum Em Sua Própria Terra, com as faixas “A grande Revolta” e “Nheenga-itã puxiwera” que ficaram fixas no repeat.

Nelson D

Nelson D

Fiquei fascinado com o excêntrico A Máfia dos Tigres (Tiger King), mas o documentário brazuca AmarElo – É Tudo pra Ontem, do rapper Emicida foi mais forte.

Zona Norte pegada forte

Zona Norte pegada forte

“Exu matou um pássaro ontem com uma pedra que só jogou hoje”, essa frase bate forte em qualquer um.

Melhor não sair ainda

Melhor não sair ainda

Nos vemos em 2021, para o melhor que esse ano tão esperado possa nos proporcionar.

Se cuidem.
Ma’a Salama!

Ouro é para os Fracos

Esse texto não é sobre dicas de investimento, onde vou declarar que apesar de especialistas indicarem que o ouro é a onda da vez há um esquema de pirâmide, marketing multinível ou criptomoeda que vão de fato te garantir rios de dinheiro, e para isso bastaria um simples cadastro para uma apostila paga de um curso meu.
Não.
Esse post tem o intuito de ofertar não uma apostila, mas um livro.
Enquanto “A Melhor Parte da Mentira” não sai, resolvi publicar de forma independente um romance de ficção científica e fantasia com ambientação árabe pela plataforma Kindle.
E como gosto muito de você lhe informo em primeira mão que por tempo limitado está com um preço bem camarada: R$ 2,80 (Dois reais e oitenta centavos) —EXPIRADO EM 10/11/2020.
Sim, o ebook estará com esse preço inaugural bacanudo devido a todas as crises que as terras tupiniquins vem sofrendo. Mas será por tempo limitado ( EXPIRADO EM 10/11/2020), e a atualização poderá dobrar ou até mesmo triplicar esse valor.
Importante: esse valor está disponível no site brasileiro (amazon.com.br), em outros domínios aparecerá com o valor mínimo na moeda local.
Sem mais delongas, segue abaixo a sinopse:

Arizz, um ex-pirata, convoca um grupo formado pelo espião ocidental Rogson, a meta-humana Udina, o mascarado Madnun e o alquimista Hamud para realizarem o maior roubo da historia valendo-se do dom de sua parceira Laila, que é o de ver o futuro.
Ao convencer o grupo, Arizz antecipa que o alvo do roubo não é ouro, e sim algo que não é de conhecimento humano e existe de forma clandestina no mundo.

Para comprar no Kindle clique aqui.

Espero que goste.
E ficarei imensamente agradecido se puder indicar para as pessoas que conhece e que apreciem esse tipo de literatura.

Ouro é para os fracos

Ouro é para os fracos

Ma’a Salama