Naruto ou A Cruzada das Crianças

*** CONTÉM SPOILERS ***

Descobri o que era Filler quando mencionei que desejava assistir Naruto, e amigos me disseram que tinha muita encheção de linguiça e acabaram por explicar do que se
tratava.
Ninguém poderia me chamar de Otaku, hehehe.
Ao iniciar em 2020 a saga do garoto loiro com a raposa de nove caudas selada em seu corpo, a constatação veio certeira: uma penca de episódios que desanimam quem não é naruteiro raiz.

O Time 7
O Time 7

Fico satisfeito com o término de Shippuden, que fechou a estória proposta desde o início, explicando o surgimento do mundo ninja e dos chakras.
Tanto que não tenho interesse algum em ver Boruto (Naruto Next Generations).

No entanto, foi uma experiência legal acompanhar essa saga criada por Masashi Kishimoto.
Ao longo de pouco mais de um ano e meio acompanhei os dois volumes (com fillers) e o resultado foi positivo.
Não somente pela estética e trama de grandes batalhas que satisfazem o estilo Shonen (a luta entre Gaara e Rock Lee é umas melhores da série), ou pelo fato de me manter atualizado com uma nova geração que enchia as redes com referências naruteiras e com cosplays das tais capas pretas com nuvens vermelhas da akatsuki.


Ou então pelas diversas referências religiosas e mitológicas como do Xintoísmo (Izanagi – pai dos deuses, Izanami – mãe dos deuses, Susano – deus do mar, Amaterasu – deusa do sol), ou Hinduísmo (Chakra, Flecha de Indra, os sete caminhos de Pain) entre outras.
São detalhes que enriqueceram muito a experiência, mas um dos maiores destaques ao desenrolar da série, tanto do volume 1 (Naruto) quanto do volume 2 (Shippuden) é que 95% dos arcos de personagens são voltados para dramas e traumas ocorridos na infância. Tanto que a série poderia muito bem ter o subtítulo de “crianças sofridas”.
O que para uma cultura como a do Japão se encaixa num patamar de confronto ao que vivem: suicídios em altos índices em crianças e adolescentes, niilismo da juventude expresso em diversos grupos, dúvidas das novas gerações quanto a economia e afins.

Arrisco a dizer que Kishimoto é um grande artista devido a essa consciência artística nobre, que é de destaque quando se produz conteúdo para crianças e adolescentes consumirem.
Espero que tenha alcançado o coração de gerações com o espírito de amizade, fraternidade, liberdade e sonhos vívidos expressos entre uma luta e outra e refeições de ramen.

Ma’a Salama Dattebayo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s